domingo, 4 de novembro de 2007

teatro realista

(Entra ROBERTA, 8 anos, vendedora de bala no sinal:)
- Eu corro, corro corro corro corro corro corro atééé lá no final da fila e deixo as balas nos retrovisores dos carros mas ninguém ninguém ninguém compra as minhas balas e eu sinto sede, muita sede sede ahhhhhh sinal verde que bom que bom glu glug glu. Mainha? Trabalha fora de segunda a sábado e chega em casa cansada e no domingo ela dorme o dia inteiro e a gente chora mas o meu pai não pode ouvir senão
(ROBERTA pára de falar porque entra O PAI. Fechar cortinas)

4 comentários:

aeronauta disse...

Excelente texto. Triste realidade.

Antonio Dias disse...

Pelo visto em todos os blogs ocorre o mesmo fenômeno: os "amigos" propõem e conseguem do "autor" a auto-enganação. Cuidado! Literatura mesmo têm que conseguir leitores espontâneos e não bajulação pura e simples.

katherine funke disse...

antonio, concordo com você plenamente. mas não creio que isso ocorra aqui neste blog. eu não conheço a maioria das pessoas que postam comentários. são leitores expontâneos que, coincidentemente, às vezes também têm blogs ou fotologs e escrevem, desenham ou fazem coisas legais, ou não. as que eu acho interessantes, gosto de comentar por lá também, quando vale a pena. creio que é o que ocorre por aqui também. mas obrigada pelo toque. bajulação só faz crescer ego, nunca o talento. um abração.

Renata Belmonte disse...

Kath, querida,
Deixa eu paparicar um pouco você: este seu post está bem legal.
Beijos,
Renata