terça-feira, 4 de novembro de 2008

uma vida normal

Céu azul. Meio-dia. Sertão brabo. Grande pausa soberana. Então o menino começa a me responder o que quer ser quando crescer. Ele tem 22 anos, mas uma voz tão pacífica que parece já ter 80. Urubus plainam por sobre as copas ressecadas, lentamente, enquanto ele diz: "Uma vida assim... normal... ". Urubus plainam sobre nossas cabeças. Chega um homem gordo e forte que parece o Tim Maia do morro. O menino age esquisito, grita para um colega que "chegou o homem que mais bebe da cidade". Sinto um calafrio na espinha. Ainda ouço: "Uma vida assim... normal..." Também quero. Fujo.

3 comentários:

J.F. de Souza disse...

Depois de negar três vezes
Depois de beber três doses
Depois de estar perto
três metros

Ninguém sabe bem o que quer
nem o que é ser normal
nem se já enlouqueceu


=*

Sócrates Santana disse...

Uma vida normal. Um sentimento normal. O sentido normal dos hábitos. O espanto normal. Afinal, como diria o poeta Ismael Teixeira, "as coisas simplesmente são". Estrelas, nada mais.

Palatus disse...

Não...não quero uma vida normal, nao gosto de uma vida normal,não sou normal e o que é "normal", por exemplo, não me atrai...mas o que é ser normal? Não sei. Esse blog pra mim é anormal, por isso amo vir aqui, pois quando volto já não sou mais o mesmo...abraço, Funke!