sábado, 14 de julho de 2007

ele ri

Então dá mais uma risada gostosa das coisas tortas da vida. Pele escura, rosto curtido, dentes falhos, corpo esculpido por anos de gramas & podas & enxadas & espinhos, mãos grossas e calejadas. Doce como a mais terna das avós pode ser, mas firme como um guerreiro. Tem cara de índio bugre misturada com onça pintada. É pobre, desprovido de equipamentos mais adequados, desconhece os termos científicos para o que faz. Não importa: nascera com a linguagem da natureza. Simples assim. Eis o jardineiro que ri (bebendo sua cerveja escondido no quintal da festa).

4 comentários:

Pedro Carvalho disse...

Obrigado pela sua visita. Há notas mínimas extraordinárias ... Não ... Sim ... Quero ... Não ...
Gostei. Muito sucesso Katherine

aeronauta disse...

Gostei demais desse texto. Consegue traduzir a mesma simplicidade do jardineiro. Parabéns.

Anônimo disse...

Música para corações e mentes. Em poucas palavras: uma maravilha. Aquele abraço. Thiago.

Renata Belmonte disse...

OI, Katherine,

Encontrei a "pérola" em um site de moda. Um hooror, né?
Beijos,
Renata