quinta-feira, 19 de julho de 2007

último vôo

A idéia de morrer num acidente, em um átimo de segundo que pode ser o próximo, aqui e agora, traz a necessidade urgente da entrega - a entrega imediata e sincera a tudo e todos que amamos. Mas anteontem tantos morreram no maior acidente aéreo da história do Brasil e hoje o mundo continua igual para muita gente. Cânceres continuarão a nascer em quem se enterra sob a máscara da normalidade. Quanto mais a gente perde a noção da finitude da vida, mais cedo a morte chega - mesmo que continuemos respirando.

3 comentários:

Anônimo disse...

A vida continua,

para o diabo com os defuntos!

A vida continua,

ainda que muita gente boa morra.



Anne, tome seu café;

Dan, tome seu remédio.

A vida continua,

só me esqueci por quê.

EDNA ST. VINCENT MILLAY


Aquele abraco. Thiago.

Carlos Barbosa disse...

Fios de minha barba no teclado do computador - sou eu que fui. Abr. (Carlos)

aeronauta disse...

Nós não conseguimos conceber a finitude, eis a dura sentença. Abraços.