terça-feira, 2 de outubro de 2007

o menino escritor

Chovia forte aquela tarde e o barulho da máquina de escrever se misturava ao som dos grossos pingos batendo contra o telhado. O verão inteiro o menino passara entre as teclas da Remington, depositada modestamente na mesinha de estudos do quarto. Tác-tác-tác, uma letra e mais outra, tác-tác-tác, palavras surgiam no papel, tác-tác-tác, desabavam da mente como a água das nuvens.

2 comentários:

gerald disse...

AS vazes sou esse menino
As vezes me perco na agua da chuva

Você escreve cada vez melhor.

Anônimo disse...

As vezes sou esse menino
As vezes me perco na agua da chuva

Você escreve cada vez melhor.


Gerald