quinta-feira, 22 de novembro de 2007

a causadora de espanto

Difícil não olhar com surpresa aquela cara feia dos infernos. Todos despertam para o mistério da vida quando, além da face inescrupulosa, a mulher mostra os ferimentos na perna esquerda e os descreve, centímetro a centímetro.

Maria sabe disso. E não consegue mais viver sem a surpresa do rosto dos outros. O primeiro instante do encontro é para ela o mais importante. Para o resto - a pena, o nojo - ela não liga. Quer é arregalar os olhos dos outros. Assim se diverte como ninguém. Então sai por aí a mostrar suas feridas, afim de colher para seu deleite todo o espanto que cabe num segundo.

4 comentários:

maria disse...

obrigada pela visita.voltarei

Kátia Borges disse...

Triste quando o único contato, o único modo de prender o olhar do outro, e de existir, é pelo espanto, pela compaixão e pelo medo.

Renata Belmonte disse...

Uma dúvida na sexta: e quando o conhecido não é nosso amigo?
Bjs

Cristiano Nagel disse...

Obrigado pela visita no meu blog.. o seu é uma delicia... a causadora do espanto é ótima... parabens conterrânea...

bjs