domingo, 10 de fevereiro de 2008

embarque

Estava ali na zona de transição entre uma cidade e outra, prestes a embarcar em um avião; ali não era lugar para apegos ou lembranças. Depois do beijo, disse-lhe adeus, deu as costas, sorriu para ver mais uma vez a cara dele, e pensou - não sem pontada de alegria e medo no peito - que uma nova vida iria começar dali em diante.

2 comentários:

Renata Belmonte disse...

Eu não calço trinta e quatro. Mas costumo gostar de pessoas com pés pequenos.
Bjs querida!
E se quiser, pode pedir o sapato emprestado.

doispontospontocom disse...

Agora comecei a entender...são contos breves...sobre cenas...
gostei...